A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Avatar do usuário
Maggot
Mensagens: 1883
Registrado em: 13 Jan 2014, 19:00

A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Mensagem por Maggot » 11 Fev 2019, 16:38

Imagem



Phaendar.

Uma cidade pequena em Sambúrdia, próxima à margem do rio Baslav, à vista da fronteira com as Sanguinárias. Mercadorias chegam à cidade através da Ponte de Phaendar, a única forma de cruzar o rio de fluxo rápido e correnteza forte. A cidade de quatrocentos residentes raramente vê algo excitante, fazendo o Festival de Mercado de Phaendar a principal fonte de notícias, entretenimento e troca da cidade. O evento de dois dias, que ocorre a cada três meses, junta fazendeiros e pastores de toda a região sudeste de Sambúrdia, principalmente da única outra cidade Collarthan. Além disso, madeireiros do tão próximo Bosque da Presa e mercadores de além do rio são presença comum, vindos da própria capital Samburdia para conseguir novos materiais e suprimentos. Durante o evento, é comum ver a população da cidade dobrar.

Naquela primeira noite, uma pequena multidão era atraída para a Taverna da Raiz, muitos apenas para ouvir as histórias que Aubrin a Verde – uma membra aposentada dos Patrulheiros Verdes, um grupo de patrulheiros de elite de Sambúrdia, agora convertida em clériga de Valkaria - reconta de sua juventude. Do lado de fora, a celebração continua enquanto gritos são carregados pela noite. Aquecidos pela lareira da taverna e abastecidos com cerveja anã trazida por mercadores de Doherimm, a leveza do fim da noite é bem vinda após um dia de festival e trabalho. Uma roda é formada, e Aubrin convida outros à contarem suas próprias histórias, formando uma pequena competição.
Imagem
[...] Então eu estava lá, pensando em quando diabos eu teria outra chance de conversar com um urso atroz. O bicho se ergueu para vir para cima e eu me viro para ele e digo me encolhendo “Eu só quero ficar com o mel, você pode ter as abelhas!”. – As pessoas riram, enquanto Aubrin batia sua perna de madeira no chão e pedia outra caneca antes de continuar. – Surpreendentemente deu certo. Deu tudo certo com o urso. Ele até deu o nome de um dos filhotes em minha homenagem. Ainda tenho que ir ver o pequeno “Corram as Abelhas estão vindo.”
Risadas. Dos cantos, sentados em mesas mais afastadas dos centros, uma mulher de cabeça raspada e roupas mais exóticas observava a situação em silêncio, apenas ouvindo a história. Theresa estava ali procurando por aventuras. Havia vindo para Arton para isso, afinal. Não muito distante da mesa dela, um homem de mantos negros e vermelhos, capuz cobrindo a cabeça e esperando as histórias contadas. Richard , não, o Garra Vermelha, estava ali por oportunidades. Aventura, vigilantismo e vingança andavam de mãos dadas para aquele rapaz.

Haviam outras figuras exóticas ali, e logo um deles se posicionou à frente. Um homem de cabelos loiros presos em um rabo de cavalo, as laterais raspadas. Seus olhos azuis como o céu refletiam a luzes das tochas e lareira, o rosto barbado corado pelo calor com o qual não era tão acostumado e o álcool. Seu corpo massivo era coberto por trajes de pele e quando ele se ergueu, as atenções se viraram para a história que Magnus estava prestes à contar, sua história desafiando à de Aubrin:
Imagem
- Magnus matou um urso atroz para se tornar homem, com 12 anos e banhou-se em seu sangue, em meio ao frio pálido e cortante da Uivantes! Saiu de casa como um garoto, armado com uma machadinha e nu, voltou como um homem, coberto de fluído rubro da vida e da vitória. É assim que aconteceu e é assim que as coisas são.

Risadas e brindes. Uma garota de cabelos loiros e roupas selvagens, sua aparência não necessariamente muito diferente da de Magnus, resolveu contar sua própria história. Lanna ergueu a voz, certa inocência ao revelar a história de conteúdo particularmente cômico:
Imagem
- Meu pai derrotou um dragão quando eu era menor. Quando eu vivia no bosque, perto das Sanguinárias, uma vez um homem montado num dragão desceu pedindo tributo. Meu pai resolveu responder, e se levantou de seu banho e foi até o homem e o dragão sem roupas. Eu não sei o que eles conversaram, mas o homem ficou vermelho quando viu meu pai e foi embora, e o dragão disse algo sobre a lança do meu pai ser maior que a do guerreiro. Nunca entendi essa, meu pai usava um arco.
O salão explodiu em risos. Algumas pessoas tinham lágrimas escorrendo dos olhos pelas gargalhadas, e vários pedidos novos de cerveja foram pedidos.
Um homem com um estranho capacete de dado se manifestou. Não era possível dizer porque Jinx estava ali. Possivelmente, nem ele sabia.
Imagem
-Essa história aconteceu eu ainda morava em Al-gazarra. Certo dia minha mãe me pediu para eu sair para comprar pão, então eu fui até a horta da Dona Joaquina, que por ser a melhor encanadora da quarta face, logicamente fazia os melhores pães. Infelizmente, mesmo sendo a melhor da quarta face, ela vivia na segunda, então seria uma longa viagem em busca do pão. Mas sendo um corajoso devoto da UNICA deusa, Nimb, eu jamais desistiria.
Dirigiu-me a um dos quatro abismos da face em que eu morava e saltei rumo a escuridão, certo de que cairia na face seguinte como sempre. Para meu terror, estava errado e cai num terrível mundo em que os insanos habitantes locais chamavam de Arton. Sim!! AQUI MESMO! Inferno era pouco para descrever, pois nos primeiros minutos, achei que iria enlouquecer! Pra começar pedi informação ao cavalo mais próximo, mas o pobre coitado não era erudito como de costume! Só sabia relinchar! E mais, ele tinha um dono humano que logo me deu uma bronca por mexer com o animal, quando eu só queria tirar uma dúvida! Tentei fugir dali montado numa mesa, mas a safada não se mexia, não podia nem cavalgar ou voar. Então tive certeza: Aquilo era obra do Nimbus caído KHALMYR, o traidor, que espalhava a terrível ordem por onde passava.
Quando estava desesperado, uma luz escura, vinda de dentro de uma privada emitiu um canto (aaaaaaAAAAAH!) e então uma voz ressoou na minha mente, dizendo:
"O ancião aponta para o céu. O sábio olhara para o céu, o bobo olha para o dedo".
ERA ISSO! UM CHAMADO DE NIMB! Sabia qual era minha missão sagrada! Corrigir as maldades do ordeiro Khalmyr, ensinando a liberdade do caos, da verdadeira deusa, Nimb! A partir daquele dia, seria um cruzado do caos, pronto a corrigir aquele errado mundo cheio de loucos que era Arton! E precisa fazer isso logo, pois mal vejo a hora de voltar pra sua casa em Al-gazarra.
Afinal, sua mãe ainda espera pelo pão.
O foda é que eu me uni a um grupo de aventureiros: Aldred, o cavaleiro de ordem e John Lessard o herdeiro do rainha eterna!! Tinha outros lá, mas acho que quando um castelo caiu na minha cabeça e eu morri caindo num abismo,eu esqueci do resto.
Dai eu acordei em outra Arton. Eu acho que é outra Arton. Era o que tava na placa ao menos.
Todos se olharam, confusos. Aquilo fazia algum sentido? Não, claro que não. Mas o álcool apenas deixava aquela história tragável, e todos riram e brindaram. Após a história daquela figura estranha, Aubrin foi empurrada novamente para o centro:
Imagem
- Certo, certo, não empurrem. Então, Valkaria pode me lançar um relâmpago se essa não é verdade mas---“
A porta da frente explodiu em farpas e fragmentos. Um grito agoniado perfurou o caos, e então houve silêncio. Aubrin estava caída no canto, buscando desesperada por ar, mãos apertando um ferimento que esguichava sangue de seu peito. Uma seta de besta ainda tremia, fincada num poste de madeira atrás dela, coberto de sangue.

Dois hobgoblins em trajes militares estavam parados na porta quebrada. Atrás deles, iluminadas pelos brilhos de casas em chamas, dúzias – talvez centenas – de soldados hobgoblins marchavam nas ruas.

Phaendar queimava, gritos de comemoração agora substituídos pelos gritos em pânico daqueles em medo e dos que morriam. Atrás de tudo, acima das chamas e terraços, na direção da praça central de Phaendar, uma torre negra se erguia.

Os soldados que invadiam a taverna avançaram contra os mais próximos da porta, Lanna e Magnus, mas suas espadas foram interceptadas, seus ataques não conseguindo atingir os dois de forma efetiva.

Imagem

Iniciativas:
Hobgoblin A 24
Hobgoblin B 23
Magnus 15
Jinx 14
Lanna 14
Richard 12
Theresa 8
Richard Maedoc/Garra Vermelha | PV: 23/23 - PA: 1 | Condição: ---
Theresa Rey | PV: 9/9 - PM:5 - PA: 1 | Magias Preparadas: --- | Condição: ---
Lanna | PV:19/19 - PM:6 - PA:1 | Condição: ---
Jinx | PV: 15/15 - PM:7 - PA: 1 | Condição: ---
Magnus Hjerteøkse | PV: 28/28 - PA: 1 | Condição:---
Editado pela última vez por Maggot em 12 Fev 2019, 10:29, em um total de 1 vez.
Imagem
- Six shots...
#FreeWeizen

Avatar do usuário
John Lessard
Mensagens: 4436
Registrado em: 10 Dez 2013, 11:03
Contato:

Re: A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Mensagem por John Lessard » 11 Fev 2019, 20:05

A taverna era quente. Quente de um jeito bom e que Magnus gostava, não quente como as terras fáceis ao sul. Quente de um jeito festivo, pelos corpos suados em animação e bebedeira. E em breve, ele esperava encontrar outro tipo de conforto. Aquela mulher, a druida que se gabava de ser amiga de um urso parecia deliciosa. Um ótimo contraste com a pele branca e olhos azuis frios de Magnus.

Acabou que, não era o tipo de diversão que encontraria naquela noite. Porém algo tão bom quanto o esperava. A porta fora destruída, revelando aqueles homens peludos, fogo consumindo pessoas fracas. Um deles parado logo em sua frente, fez com que o bárbaro não perdesse tempo, puxando seu machado das costas e girando acima da cabeça contra o animal... A lâmina desviou para o lado, destruindo a madeira do chão da taverna.
Imagem
- Hic... Magnus está bêbado.
E gargalhou.
Off:

Movimento: saca o machado.
Padrão: (5) + 3 = 8, erro
Personagens em Pbfs:
Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem

Avatar do usuário
DiceScarlata
Mensagens: 1391
Registrado em: 22 Jan 2017, 02:15

Re: A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Mensagem por DiceScarlata » 12 Fev 2019, 04:41

Jinx, cruzado da ordem dos cabeças de dado
Imagem


*Jinx bebia - não se sabe como - ria, interagia, jogava dados como se fossem seus filhos ou bichinhos de estimação e envolvia-se com brincadeiras perigosas, como atirar dez facas para cima e esperar abaixo delas, apostando que nenhuma o feriria mortalmente. Algo haver com sua fé renovada em Nimb.*

*Enquanto girava seu mangual acima da cabeça, tecendo contos de sua vida em al-gazzara, observava as várias figuras que ali julgava interessantes e outras dignas de serem ignoradas. Mas quando a porta abriu-se com a invasão de hobgolins.*

*Bem, ele deu de ombros. Ué... Qual era a diferença entre essas criaturas e as demais ali na taverna? Não poderia se importar menos.Até o primeiro ataque vir por parte deles. Por sorte a mulher e o bruto escaparam. O ataque deste último veio logo em seguida*


- aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah! é uma briga de bar!!!! ENTENDI!!! Mas meu caro amigo bruto, deixe-me mostrar como se faz...

*Jinx caminhou pelo salão, cumprimentando a todos. Acenou educado para os hobgoblins enquanto arrastava a bola de ferro de seu mangual. Então segurou a guarda com duas mãos. E num movimento de 180 graus a atingiu no crânio de um dos inimigos! Este fora jogado de cara contra chão, rachando-o*

- Viiiiiiuuu?
Ataque: 20
dano: 18

supersticioso: CA+1

Magias: 5 toques de cura. 2 bençãos.
Tribo Scarlata


- Magika (on):Leonel Alvarez
- Crônicas da Tormenta (on):Angra dos Cabelos de Fogo ALPHA
- Outono (on):Dream & Nightmare
- A noite do Lagarto(on): Orgo Corta-Rocha
- Aurora Carmesin(on): Scarlata Jihad / Jihad da areia vermelha
- Era de Arsenal(on): Angra Cabelos de Fogo
- Ilha do Umbral de Fogo (on): Jafar-Abadi



Avatar do usuário
Lord Seph
Mensagens: 12688
Registrado em: 09 Dez 2013, 17:50

Re: A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Mensagem por Lord Seph » 12 Fev 2019, 11:05

As coisas fora do Bosco de seu pai era estranho, primeiro Lanna precisava usar roupas para esconder seu corpo.

Ela entendia isso em tempos frios, mas todo dia parecia ridículo.

Fënrir era outro problema, as pessoas o viam como um animal selvagem e perigoso, mas ele apenas se preocupava comigo e tentava me proteger.
Imagem

Você tem que entender que não vivemos mais no bosque de meu pai, Fën, e eu posso me proteger sozinha.
A jovem Druida fala, mas o Lobo apenas lhe ignora.

Lanna suspira quando chega a mais uma cidade. O povo não lhe estranha dessa vez é até permitem a entrada dela e de Fënrir na aldeia.

Ele conta uma história de sua infância, mas não entende o motivo da graça, mas ela deixa tudo para lá e apenas deixa o tempo passar, é quando surgem dois goblinoides lhe atacando sem motivo.

Ela consegue se esquivar e se afasta. Então ela solta um uivo


Imagem

Auuuuuu!
Três formas espectrais de lobo surgem ao seu redor e atacam o Goblinoide ainda de pé.

Dois erram o ataque, mas um consegue atingir o ombro da criatura.

Fënrir tenta atacar, mas falha em seu bote e atinge apenas o ar.
Imagem

Fën, não!
Lanna grita, não gostava de por seu amigo em perigo, mas ele sempre agia assim quando a Druida estava em perigo.

Vou trocar de lugar com o Fënrir e usar a magia Espírito Animal I.

3 Ataques, 24, 10 e 7. Acerto só o primeiro com 4 de dano.

Fënrir tenta um ataque, 11, e falha no bote.

Magias Preparadas: Curar Ferimentos Leves x3, Espírito Animal I x1, Bênção x1.
Melhor queimar do que apagar aos poucos.
-Neil Young.
o lema dos 3D&Tistas
"-seremos o ultimo foco de resistência do sistema"
Warrior 25/ Dark Knight 10/ Demi-God.

Avatar do usuário
Aldenor
Mensagens: 17017
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:13
Localização: Curitiba, PR

Re: A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Mensagem por Aldenor » 12 Fev 2019, 15:30

Richard estava na rua, estava na estrada pela primeira vez na vida. Era um jovem garoto, sem destino, sem beira nem eira. Apesar de sua dificuldade em se conectar com as pessoas, se esforçava para ser agradável. Havia fugido de sua casa por força imposta e estava viajando sob um manto escuro, ocultando sua identidade.

No princípio, não queria que ninguém soubesse quem era, com medo de represálias de inimigos de sua casa, mas estava tão longe que se convencera que seus chicotes não mais o alcançavam. Preocupava-se com seus irmãos, cada um seguindo um destino diferente, um mundo diferente. Será que um dia eles se reuniriam novamente?

Não importava, mas agora Richard usava sua máscara para ser outra pessoa. Ele era um lefou, uma criatura que as pessoas abominavam. Richard era um nobre, alguém com responsabilidades futuras, alguém treinado na disciplina táurica. Mas como Garra Vermelha ele podia ser quem ele quisesse. Ironicamente, podia ser ele mesmo. Um aventureiro, um errante, alguém treinado na malemolência goblin.

Saudades de Kuko.

Richard estava nesse vilarejo qualquer onde descobriu que havia alguém do bando bárbaro das Uivantes. Seus olhos brilharam por debaixo da máscara negra e do capuz. Sentiu um aperto no peito, sua própria voz no ouvido: "Mate-o, vingue Kuko. Vingue Pilarius. Vingue Oliver. Vingue Maedrônia". Essa era seu demônio interno, talvez aquela parte aberrante sedenta por sangue.

Felizmente, Richard nunca lhe dera bola mesmo. Tais pensamentos iam e vinham e ele fazia troça deles: "Claro, como se eu gostasse mesmo de Pilarius ou Oliver. E Maedrônia era muito fria, prefiro lugares quentes."

Estava na taverna, oculto nas sombras como sempre. Mas sorria debaixo da máscara, pois as pessoas pareciam felizes e se divertiam com histórias. Richard adorava histórias. Pensou em intervir para contar algo, mas decidiu só ouvir naquela noite. Ainda tinha medo de causar constrangimento e espanto às pessoas com seu lado aberrante.

E então, um virote vazou sobre a mulher que animadamente comandava o festeiro. Richard logo se pôs de pé. Eram dois hobgoblins pelados - afinal, Richard era familiarizado com os hobgoblins das Uivantes, cheios de pelo. O bárbaro, suposto sanguinário responsável por sua fuga de Maedrônia, estava bêbado, girando seu machado a esmo. Os hobgoblins avançavam, mas um sujeito estranho de elmo esquisito girou seu mangual esmagando o crânio do hobgoblin.
Garra Vermelha
Imagem
Uuuh. Irado!
Ele até pensou em atacar o outro hobgoblin, mas lembrou dos ensinamentos de Kuko.
Flashback
Kuko
Imagem
Dar dorak shita'kk trakor or gonarirr.
Garra Vermelha
Imagem
Tem razão, Kuko. Tem toda razão.
Circulando a mesa, ele se aproxima da mulher ferida.
Garra Vermelha
Imagem
Não se preocupe, eu vou te ajudar com isso, dona. Não sou salistickiano, nem clérigo, nem curandeiro, nem xamã, nem sei direito o que tô fazendo. Mas eu sei enfaixar e fazer o sangue parar de sair do teu corpo. Fica tranquila, minha capa tá limpa.
Amarrou o pedaço de sua própria capa negra em volta do corpo da mulher, apertando num nó bem firme. Ela grunhiu, mas era para seu próprio bem. A máscara negra escondia seu rosto, mas era possível ver o sorriso delinear por baixo.

Então, o esquisito aconteceu: ela puxou sua camisa e começou a falar com dificuldade.
Aubrin
Imagem
Pelo... Pelo som parece um exército. Como eles atacaram sem nós conseguirmos vê-los? Essas porras de planícies são tão estupidamente planas...
Sua risadinha abafava a dor.
Aubrin
Imagem
... que você conseguiria ver a merda de um cervo à dois dias de distância, imagine um exército?
Ela parou para tossir, claramente ainda sentindo dor.
Garra Vermelha
Imagem
Dona, acho que você precisa de um clé...
Aubrin
Imagem
Parecem numerosos. Numerosos demais para enfrentá-los de frente como imbecis. Vamos juntar os cidadãos e os suprimentos que pudermos... Cruzar a ponte... E ir até o Bosque da Presa. Eu conheço alguns segredos que podem nos manter vivos.
Richard não tinha pensado nisso. Ouvia os sons lá de fora, mas não havia se atentado à catástrofe que estava acontecendo. Subitamente, sentiu-se de novo em Maedrônia, no ataque dos bárbaros das Uivantes. Era seu evento traumático, pois era muito criança para lembrar da investida dos minotauros.
Garra Vermelha
Imagem
E-eu... eu... hã...
Ela começava a tentar fazer força para se erguer. Richard a ajudou com suas mãos.
Aubrin
Imagem
Se acharmos uma maneira de destruir a ponte depois de cruzarmos para eles não nos seguirem seria muito bom.
Destruir uma ponte? Será que tinha algum mago com uma bola de fogo? Mas a ponte tinha que ser de madeira... e se fosse de pedra?
Garra Vermelha
Imagem
E se a ponte for de pedra?
Percebeu que o comentário era sem sentido pra ela.
Garra Vermelha
Imagem
Digo, vamos lá! Eu te ajudo! Me diga o que fazer!
Garra Vermelha parecia ameaçador com sua capa, sua máscara negra inexpressiva, suas roupas de couro tingido de vermelho como escamas e sua mochila a tiracolo. Mas era um garoto de dezesseis anos debaixo daquela aparência e não sabia, sinceramente, o que fazer nesse tipo de situação...
Ação de Garra Vermelha
Deslocamento: se desloca para perto da mulher ferida.
Padrão: usa Primeiros Socorros e estanca o ferimento.
Personagens de PbFs da Jambô
Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem
Personagens de Pbfs do Mamute
Imagem Imagem

Imagem Imagem

Avatar do usuário
Kairazen
Mensagens: 584
Registrado em: 04 Jan 2014, 18:42

Re: A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Mensagem por Kairazen » 12 Fev 2019, 17:48

Arton era impressionante, Theresa amava poder andar por qualquer lugar sem ter que se preocupar com o frio e cruel vácuo do espaço, sem ter que viver em redomas, era uma sensação de liberdade indescritível. Mas precisava logo arrumar um grupo para viajar junto, sair por ai numa terra estranha não era seguro. Aquela taverna parecia ser um bom lugar para encontrar isso, todos ali pareciam animados, contado historias, mas aquela paz foi interrompida do nada por um ataque, Aubrin foi gravemente ferida, e alguns ja lutavam contra os invasores, Theresa se levantou rapidamente, sacou sua pistola e mirou no que estava de pé:
Imagem

Ok, acho que a diversão acabou.
Mas o hobgoblin conseguiu desviar no ultimo instante, Theresa ficou surpresa com a velocidade dele.
OFF: Ação de Movimento: Sacar pistola.
Ação Padrão: Theresa vai disparar uma Bala de Força no hobgoblin (toque a distancia 18, hobgoblin desviou)
Magias Preparadas: 1° - Escudo Arcano, Ataque Certeiro, Toque Chocante x2, Sono.

Avatar do usuário
Maggot
Mensagens: 1883
Registrado em: 13 Jan 2014, 19:00

Re: A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Mensagem por Maggot » 12 Fev 2019, 18:03

Um cenário caótico de combate se iniciava. Não muitos instantes depois da mulher ter sido perfurada pelo virote, o ser com o estranho capacete de dado havia esmagado o crânio de um dos hobgoblins, espalhando miolos e fragmentos de ossos para todos os lados. Um rapaz de trajes negros e rubros que cobriam sua face correu até a mulher e à ajudou a se estabilizar, com ela rapidamente jogando informação para o garoto.

O outro hobgoblin não deixava a situação simplesmente passar. Avançou contra o estranho homem com capacete de dado, e tentou atingi-lo com sua espada, mas ela apenas atingiu a escada atrás dele, inofensiva. O hobgoblin entrou em posição de defesa, reparando agora que a sua vitória não era tão garantida quanto achou que era ao invadir a taverna.

Ao fundo, os barulhos de gritos e batalha se misturavam.

Imagem
Iniciativas:
Hobgoblin A 24
Magnus 15
Jinx 14
Lanna 14
Richard 12
Theresa 8
Richard Maedoc/Garra Vermelha | PV: 23/23 - CA: 18 - PA: 1 | Condição: ---
Theresa Rey | PV: 9/9 - CA: 13 - PM:5 - PA: 1 | Magias Preparadas: --- | Condição: ---
Lanna | PV:19/19 - CA: 20 - PM:6 - PA:1 | Condição: ---
Jinx | PV: 15/15 - CA: 17 - PM:7 - PA: 1 | Condição: ---
Magnus Hjerteøkse | PV: 28/28 - CA:15 - PA: 1 | Condição:---
Imagem
- Six shots...
#FreeWeizen

Avatar do usuário
John Lessard
Mensagens: 4436
Registrado em: 10 Dez 2013, 11:03
Contato:

Re: A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Mensagem por John Lessard » 12 Fev 2019, 19:35

A taverna era um caos de sangue. Aquele homem com um aquela cabeça estranha se aproximou esmagando a cabeça de um dos homens peludos e dizendo como era que se fazia. Magnus o olhou de soslaio, num misto de: ninguém me mostra como fazer e quem e você.
Imagem
- Não.
Ergueu seu machado, fazendo um meio círculo pelas costas e desceu contra o ombro do inimigo, fatiando o tronco.
Imagem
- Magnus prefere o corte, rapaz, como se cortasse uma árvore... Mas o homem peludo tem a carne macia, então corta fácil. Veja, ele morreu.
O bárbaro então empurra o corpo com a bota, desprendendo de seu machado.
Imagem
- Um pra conta.

Off:

Padrão: ataque (16) + 5 = 21, dano (6) + 8 = 14
Personagens em Pbfs:
Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem

Avatar do usuário
DiceScarlata
Mensagens: 1391
Registrado em: 22 Jan 2017, 02:15

Re: A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Mensagem por DiceScarlata » 13 Fev 2019, 16:57

Jinx, cruzado da ordem dos cabeças de dado
Imagem


- Ah sim.. sim... Eu cortava na outra vida! Agora esmago!!

*Apontou o polegar para a própria cabeça*

- Sou Kubus Jinx. Muito prazer. Um pra conta né? -1 um pro mundo hehehe. Vou contar também! Uma aposta! Quem conseguir mais, paga a cerva!! Tem mais desses peludos macios ai pra gente brincar?

*E pôs um pé pra fora na taverna vendo o caos, que lhe provocou enorme euforia*

- E NÃO É QUE TEM???? AQUI FELPUDOS!! AQUI!!!! VAMOS BRINCAR!!!
Tribo Scarlata


- Magika (on):Leonel Alvarez
- Crônicas da Tormenta (on):Angra dos Cabelos de Fogo ALPHA
- Outono (on):Dream & Nightmare
- A noite do Lagarto(on): Orgo Corta-Rocha
- Aurora Carmesin(on): Scarlata Jihad / Jihad da areia vermelha
- Era de Arsenal(on): Angra Cabelos de Fogo
- Ilha do Umbral de Fogo (on): Jafar-Abadi



Avatar do usuário
Lord Seph
Mensagens: 12688
Registrado em: 09 Dez 2013, 17:50

Re: A Presa de Ferro | Ato I - A Trilha dos Caçados

Mensagem por Lord Seph » 13 Fev 2019, 17:14

Lanna observa o ambiente sem entender o que acontecia direito, mas era claro que havia um combate no momento. Fënrir rosnava irritado.
Imagem

Agora não, Fën.
Ela nota a mulher que estava fazendo as apresentações ainda ferida e se aproxima dela.
Imagem

Espere um pouco.
Lanna toca o rosto da mulher e um brilho esverdeado surge de sua mão.
Imagem

Cure esta que também faz parte da natureza, Mãe.
Lanna faz uma oração simples, Fënrir fica em suas costas como guardião, aguardando ordens.

Imagem

O que está acontecendo?
Lanna resume enquanto Fënrir rosnava.

Usar Curar Ferimentos Leves, 9 PVs curados.

Magias Preparadas: Curar Ferimentos Leves x2, Espírito Animal I x1, Bênção x1.
Melhor queimar do que apagar aos poucos.
-Neil Young.
o lema dos 3D&Tistas
"-seremos o ultimo foco de resistência do sistema"
Warrior 25/ Dark Knight 10/ Demi-God.

Responder

Voltar para “JOHNVERSE”