Como tratar a homosexualidade em Arton.

Tormenta é o RPG mais completo do Brasil. São tantos suplementos que você vai mesmo precisar conversar com o pessoal para acompanhar tudo!
Avatar do usuário
Lord Seph
Mensagens: 13507
Registrado em: 09 Dez 2013, 17:50

Re: Como tratar a homosexualidade em Arton.

Mensagem por Lord Seph » 03 Dez 2015, 11:47

Mercenário$ era da Petra Leão e outra autora que esqueci o nome e devido a cachorrada da Trama/Talismã/Melody acabaram tendo um monte de problemas legais depois e acabaram se separando e levando cada uma suas criações.
Melhor queimar do que apagar aos poucos.
-Neil Young.
o lema dos 3D&Tistas
"-seremos o ultimo foco de resistência do sistema"
Warrior 25/ Dark Knight 10/ Demi-God.

Avatar do usuário
Kalamari
Mensagens: 746
Registrado em: 22 Jul 2015, 10:08

Re: Como tratar a homosexualidade em Arton.

Mensagem por Kalamari » 03 Dez 2015, 11:49

Lord Seph escreveu:Mercenário$ era da Petra Leão e outra autora que esqueci o nome e devido a cachorrada da Trama/Talismã/Melody acabaram tendo um monte de problemas legais depois e acabaram se separando e levando cada uma suas criações.
Que morte trágica! :cry:
Imagem
Ouça o som do violino! O bardo chora esta noite...

Avatar do usuário
Pyromancer
Administrador
Mensagens: 477
Registrado em: 06 Dez 2013, 18:29
Localização: Prendik

Re: Como tratar a homosexualidade em Arton.

Mensagem por Pyromancer » 03 Dez 2015, 12:33

Só pra encerrar o off-topic e complementar as respostas anteriores: Mercenário$ era um grupo de personagens que, inicialmente, existia no cenário de Tormenta, criados pela Petra Leão e pela Fran Briggs. Eles apareceram pela primeira vez nos especiais do Sandro e da Petra de Holy Avenger. Mais tarde, ganharam uma aventura de RPG e uma história curta própria na Dragão Brasil 103, e então uma revista em quadrinhos própria (que seria uma mini-série em 3 edições). No entanto, com o rolo da saída do trio da Talismã, a mini-série foi cancelada na primeira edição (e era uma baita história :( ). Os Merc$ até voltaram a aparecer em uma hq curta na DragonSlayer, e a Savanna (que iria fazer parte do grupo) voltou no Piratas & Pistoleiros, mas mais tarde as duas autoras se separaram e só a Fran decidiu continuar com o grupo, podendo utilizar só os personagens de autoria dela própria e mudando de cenário pra ter mais liberdade de história.

Avatar do usuário
Padre Judas
Mensagens: 8916
Registrado em: 13 Dez 2013, 16:44
Localização: Belo Horizonte - MG

Re: Como tratar a homosexualidade em Arton.

Mensagem por Padre Judas » 03 Dez 2015, 12:34

Postando só pra dizer que concordo completamente com o Aldenor.
BAÚ DO JUDAS
JUDASVERSO

Alexander: Witch Slayer [Kaito_Sensei]
Dahllila: Relíquias de Brachian [John Lessard, TRPG]
Jonz: Tormenta do Rei da Tempestade [John Lessard, D&D5E]
Syrion: Playtest T20 [Aquila]
Takaharu Kumoeda: Crônicas do IdJ [Aquila]
Yellow: Defensores de Mega City [John Lessard]

Avatar do usuário
Aldenor
Mensagens: 17348
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:13
Localização: Curitiba, PR

Re: Como tratar a homosexualidade em Arton.

Mensagem por Aldenor » 03 Dez 2015, 14:26

Kalamari escreveu:Bem, eu respeito tua opinião Aldenor (e gosto muito de ti pra brigar!)...
Que nada, não estamos brigando, o debate é sempre positivo.
Mas talvez este não seja o espaço mesmo para ESSA discussão. Talvez seja melhor voltar a falar da tratativa da homossexualidade em Arton.
Pyromancer escreveu:Só pra encerrar o off-topic e complementar as respostas anteriores: Mercenário$ era um grupo de personagens que, inicialmente, existia no cenário de Tormenta, criados pela Petra Leão e pela Fran Briggs. Eles apareceram pela primeira vez nos especiais do Sandro e da Petra de Holy Avenger. Mais tarde, ganharam uma aventura de RPG e uma história curta própria na Dragão Brasil 103, e então uma revista em quadrinhos própria (que seria uma mini-série em 3 edições). No entanto, com o rolo da saída do trio da Talismã, a mini-série foi cancelada na primeira edição (e era uma baita história :( ). Os Merc$ até voltaram a aparecer em uma hq curta na DragonSlayer, e a Savanna (que iria fazer parte do grupo) voltou no Piratas & Pistoleiros, mas mais tarde as duas autoras se separaram e só a Fran decidiu continuar com o grupo, podendo utilizar só os personagens de autoria dela própria e mudando de cenário pra ter mais liberdade de história.
Nossa, eu tenho essa edição até hoje. Era uma BAITA história mesmo. Bem desenhada, bem amarrada, com TODOS os personagens legais. Uma lástima que por questões burocráticas a ideia morreu... E Savanna cairia como uma luva nesse grupo.
Padre Judas escreveu:Postando só pra dizer que concordo completamente com o Aldenor.
Imagem
Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem

Imagem Imagem

Avatar do usuário
Padre Judas
Mensagens: 8916
Registrado em: 13 Dez 2013, 16:44
Localização: Belo Horizonte - MG

Re: Como tratar a homosexualidade em Arton.

Mensagem por Padre Judas » 03 Dez 2015, 14:49

A luta continua! o/

O próximo personagem que eu fizer pra Tormenta 3D&T será um homossexual. E acho que vou fazer um Paladino de Kallyadranoch gay, só pra ser mais radical.
BAÚ DO JUDAS
JUDASVERSO

Alexander: Witch Slayer [Kaito_Sensei]
Dahllila: Relíquias de Brachian [John Lessard, TRPG]
Jonz: Tormenta do Rei da Tempestade [John Lessard, D&D5E]
Syrion: Playtest T20 [Aquila]
Takaharu Kumoeda: Crônicas do IdJ [Aquila]
Yellow: Defensores de Mega City [John Lessard]

Avatar do usuário
Maggot
Mensagens: 2078
Registrado em: 13 Jan 2014, 19:00

Re: Como tratar a homosexualidade em Arton.

Mensagem por Maggot » 03 Dez 2015, 15:53

Pow cara... Nessa eu discordo de ti Aldenor. Não consigo achar um termo que descreva exatamente o que eu quero dizer, mas não acho que simplesmente tornar um personagem antigo em gay apenas por representatividade ou para atacar quem é contra algo bom. Acho que possui até mesmo uma conotação negativa. James K., por exemplo, é um caso que eu vejo como perfeitamente viável para dizer que é bi ou mesmo homossexual, por razões que você mesmo já disse. Pegar um personagem qualquer e falar que é gay só pra poder mandar um "Há! Vocês são ignorantes e preconceituosos e nós estamos indo contra vocês e desconstruindo o inferno do caralho a 4!" soa até mesmo infantil, é perder o terreno moral superior. O caso do Alan Scott, já mencionado, soou EXATAMENTE como isso: o personagem já era estabelecido, já tinha filha, teve mais de uma mulher pelo o que eu me lembro e nunca teve nada relacionado ou nenhuma abertura pra isso. Eles decidiram que era gay e pronto, dane-se o personagem. O Bobby (aka Homem de Gelo) dos X-Men foi uma mudança de uma maneira MUITO melhor do que essa. Mais bem trabalhada, usando como base o histórico do personagem e não parecendo apenas um ataque pra passar uma imagem de "holier than thou". Teve nego reclamando? Ô se teve. Sempre tem. Mas dessa vez fez sentido.
Existem personagens em Arton que dá pra dizer que são homossexuais/bissexuais/whatever de boa sem soar forçado ou como um ataque. James K., Rhana (que na minha mesa era, aliás, mas eu havia definido isso por outras razões), Jade (era esse o nome daquela pirata tamuraniana totalmente devotada à uma das rainhas piratas lá? Nem lembro mais), Arkham...

Sobre visões de deuses sobre isso: Tirando alguns como Kally e Ragnar (e talvez, muuuito talvez, Lena), vejo a maioria sendo indiferente. Tipo "sem problema algum".
Imagem
- Six shots...
#FreeWeizen

Avatar do usuário
Lord Seph
Mensagens: 13507
Registrado em: 09 Dez 2013, 17:50

Re: Como tratar a homosexualidade em Arton.

Mensagem por Lord Seph » 03 Dez 2015, 16:20

O Allan tinha 2 filhos na verdade e o filho dele era gay.

E vamos novamente, o clero de Lena pode até ser contra, mas duvido muito que a Lena em si seja.

E que fail essa imagem, Comunadelnor.
Melhor queimar do que apagar aos poucos.
-Neil Young.
o lema dos 3D&Tistas
"-seremos o ultimo foco de resistência do sistema"
Warrior 25/ Dark Knight 10/ Demi-God.

Avatar do usuário
Maggot
Mensagens: 2078
Registrado em: 13 Jan 2014, 19:00

Re: Como tratar a homosexualidade em Arton.

Mensagem por Maggot » 03 Dez 2015, 16:22

E uma filha, a Jade. Ex-namorada do Kyle Rainer (aka Lanterna Verde aka Space Jesus). E sim, eu pensava mais na religião dela do que nela, por isso taquei o talvez.
Imagem
- Six shots...
#FreeWeizen

Avatar do usuário
Aldenor
Mensagens: 17348
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:13
Localização: Curitiba, PR

Re: Como tratar a homosexualidade em Arton.

Mensagem por Aldenor » 03 Dez 2015, 16:31

Maggot escreveu:Pow cara... Nessa eu discordo de ti Aldenor. Não consigo achar um termo que descreva exatamente o que eu quero dizer, mas não acho que simplesmente tornar um personagem antigo em gay apenas por representatividade ou para atacar quem é contra algo bom. Acho que possui até mesmo uma conotação negativa. James K., por exemplo, é um caso que eu vejo como perfeitamente viável para dizer que é bi ou mesmo homossexual, por razões que você mesmo já disse. Pegar um personagem qualquer e falar que é gay só pra poder mandar um "Há! Vocês são ignorantes e preconceituosos e nós estamos indo contra vocês e desconstruindo o inferno do caralho a 4!" soa até mesmo infantil, é perder o terreno moral superior. O caso do Alan Scott, já mencionado, soou EXATAMENTE como isso: o personagem já era estabelecido, já tinha filha, teve mais de uma mulher pelo o que eu me lembro e nunca teve nada relacionado ou nenhuma abertura pra isso. Eles decidiram que era gay e pronto, dane-se o personagem. O Bobby (aka Homem de Gelo) dos X-Men foi uma mudança de uma maneira MUITO melhor do que essa. Mais bem trabalhada, usando como base o histórico do personagem e não parecendo apenas um ataque pra passar uma imagem de "holier than thou". Teve nego reclamando? Ô se teve. Sempre tem. Mas dessa vez fez sentido.
Existem personagens em Arton que dá pra dizer que são homossexuais/bissexuais/whatever de boa sem soar forçado ou como um ataque. James K., Rhana (que na minha mesa era, aliás, mas eu havia definido isso por outras razões), Jade (era esse o nome daquela pirata tamuraniana totalmente devotada à uma das rainhas piratas lá? Nem lembro mais), Arkham...

Sobre visões de deuses sobre isso: Tirando alguns como Kally e Ragnar (e talvez, muuuito talvez, Lena), vejo a maioria sendo indiferente. Tipo "sem problema algum".
Mas eu não falei para usar a homossexualidade como trunfo em qualquer personagem de Tormenta. Falei de James K. pq há texto e indícios. Vladislav, como foi dado exemplo acima, não foi. Não faz sentido nenhum ele ser homossexual.

E porra, não é uma tentativa de atacar alguém. Quem se sentir atacado é pq é preconceituoso (então, foda-se). A ideia é mostrar que homossexualidade é normal e não é uma característica de mais destaque ou mais marcante que um personagem ser hétero. A ideia é justamente oposta. Quem se incomodar com isso que deve fazer uma reflexão, uma autocrítica, etc.
Ataque é imposição do status quo: ser normal ser sinônimo de hétero.

Sobre seus exemplos de HQ, não posso falar nada, não conheço absolutamente nada.

Enfim, acho que o objetivo do tópico não é esse. Para maiores detalhes, estou disponível em Facebook, MP, etc.. ehehehe
Lord Seph escreveu:E vamos novamente, o clero de Lena pode até ser contra, mas duvido muito que a Lena em si seja.
Os mortais nem sempre conseguirão seguir 100% os desejos dos deuses, e talvez nem os deuses esperam que os mortais entendam suas filosofias cósmicas... huauhahua
Lord Seph escreveu:E que fail essa imagem, Comunadelnor.
Ahahahahahahahahahah Zefy, sempre um comédia.
Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem

Imagem Imagem

Responder

Voltar para “Tormenta”